Últimas Notícias

[5]

Revelado o primeiro dinossauro capaz de nadar, e um dos maiores predadores conhecidos


A maior parte da comunidade científica acreditava que os dinossauros até o momento descritos - e provavelmente todo esse clado de répteis (Dinosauria) - eram animais essencialmente terrestres, sem representantes aquáticos, apesar de algumas hipóteses contrárias persistirem. Agora, em um estudo publicado na Nature (1), paleontólogos descreveram fósseis encontrados na região do Saara correspondentes à cauda de um Spinosaurus aegyptiacus que trazem a primeira forte evidência empírica de que essa espécie de dinossauro - o mais longo predador conhecido - era adaptada ao ambiente aquático.

- Continua após o anúncio -



Nas últimas décadas, estudos anatômicos e funcionais detalhados, combinados com uma abundante quantidade de pegadas fossilizadas, vinham indicando em uníssono que os dinossauros possuíam uma ecologia estritamente terrestre, com exceção do clado Maniraptora da qual pertencem os dinossauros terópodes aviários e as aves modernas, estes os quais também invadiram o ambiente aéreo. No entanto, múltiplas linhas plausíveis de evidências vinham se acumulando e indicando adaptações aquáticas nos espinossaurídeos, dinossauros terópodes de grande porte interpretados como predadores terrestres que se alimentavam de peixes ao longo das margens de corpos de água (lagos, rios, etc.), mas que não nadavam para capturar suas presas.

Análises do maior espinossaurídeo conhecido, o S. aegyptiacus, já tinham identificado uma série de adaptações consistentes com um estilo de vida semi-aquático, incluindo membros traseiros reduzidos, pés largos com unhas chatas, ossos longos com uma cavidade medulária altamente reduzida, e um conjunto de características cranianas (narinas retraídas, por exemplo). No entanto, essa interpretação tem sido desafiada, especialmente pela falta de mais robustas evidências fósseis e a falta de um mecanismo plausível de impulsionamento para o nado - considerando a tradicional anatomia associada aos espinossauros e o seu enorme tamanho. Para piorar, hoje só existe um único esqueleto de espinossauro, com o restante de registros fósseis tendo sido destruído durante a Segunda Guerra Mundial (apenas desenhos restaram). Especificamente, a anatomia e a função da cauda, com a escassez de fósseis, têm sido reconstruída em maior parte via comparação anatômica com outros terópodes (animais tetrápodes que se locomovem apoiados sobre duas pernas - bípedes -, como os humanos, aves e um número de dinossauros aviários e não-aviários) de tamanho similar.

- Continua após o anúncio -



Nesse sentido, no novo estudo, um time multidisciplinar de paleontólogos - suportado pela National Geographic Society - resolveu investigar mais a fundo o único esqueleto de espinossauro existente, pertencente a  um espécime sub-adulto. Liderado pelo paleontólogo Dr. Nizar Ibrahim da Universidade de Detroit Mercy, o time retornou para o local de escavação onde o esqueleto fossilizado - datado do período Cretáceo, há cerca de 100 milhões de anos - foi primeiro encontrado em 2008, nas formações saarianas do Grupo Kem Kem, no Marrocos, África (2). Entre os anos de 2015 e 2019, os pesquisadores conseguiram recuperar mais fósseis do esqueleto, incluindo uma série quase completa da cauda, a qual revelou um formato de nadadeira capaz de extensivo movimento lateral - disposições das vértebras marcadamente diferentes de outros dinossauros terópodes e indicando alta flexibilidade - e caracterizada por espinhas verticais extremamente longas e de variadas dimensões. Os pesquisadores, então, hipotetizaram que a morfologia altamente especializada da cauda do Spinosaurus permitiria sua função como uma estrutura propulsiva para a locomoção aquática.


----------
(2) Aliás, nessa região, vivia uma grande diversidade de predadores do Cretáceo, incluindo enormes crocodilianos, pterossauros e quatro dos maiores predadores conhecidos da história da Terra, incluindo o Espinossauro e o Carcarodontossauro. Para mais informações, acesse: Paleontólogos revelam o "lugar mais perigoso na história da Terra"

> Bem maior do que o tão famoso Tyrannosaurus rex, o fóssil do S. aegyptiacus encontrado no Saara indica um espécime com cerca de 15 metros de comprimento e uma massa em torno de 7 toneladas. Com dentes cônicos e um focinho similar àquele de um crocodilo, essa espécie, assim como outros espinossauros, possuía uma característica grande "vela de embarcação" nas suas costas, sustentada por longas espinhas ósseas.
----------

Após preparar todos os fósseis reunidos, o time usou fotogrametria para capturar digitalmente a anatomia da cauda. Para quantitativamente investigar a performance da cauda em um cenário de nado, um grupo da Universidade de Harvard produziu um modelo flexível de plástico e o anexou a um sistema robótico visando imitar movimentos de natação. Então eles compararam a performance de nado do modelo de cauda do espinossauro a modelos de cauda de outros animais, extintos ou não, incluindo dois tetrápodes semi-aquáticos - um crocodilo (Crocodylus niloticus) e uma salamandra (Triturus dobrogicus) -, e dois terópodes terrestres - os dinossauros Coelophysis bauri e Allosaurus fragilis -,  e um formato retangular como controle.

- Continua após o anúncio -



Os resultados dos testes experimentais mostraram que o formato da cauda do Spinosaurus era capaz de gerar mais de 8 vezes o impulso gerado pelo formato da cauda de outros terópodes, e alcançando 2,6 mais eficiência. O maior impulso foi alcançado pelo formato da cauda da salamandra T. dobrogicus (1,8 vezes aquela do espinossauro), mas o formato da cauda do crocodilo C. niloticus alcançou a maior eficiência propulsiva (1,5 vezes aquela do espinossauro).


Somando às outras características corporais suspeitas de serem adaptações aquáticas, a anatomia da cauda do S. aegyptiacus fornece a mais forte e sólida evidência de que os dinossauros do gênero Spinosaurus foram predadores aquáticos altamente especializados que perseguiam e capturavam suas presas dentro da coluna de água - e não ao longo das margens. As formações do Grupo Kem Kem trazem uma fauna do Cretáceo bastante atípica, dominada por predadores e por animais em sua maioria de estilo de vida aquático, incluindo vários peixes e crocodilianos de grandes dimensões. Isso reforça a natureza piscívora do Spinosaurus, locomoção preferencialmente aquática e a evolução de um grande tamanho corporal para competir com outros predadores aquáticos de grande porte.

- Continua após o anúncio -



Como várias das características observadas no Spinosaurus são compartilhadas por outros membros da família Spinosauridae, é possível que outros gêneros de dinossauros também adotaram estilos de vida aquática e dieta piscívora em alguma extensão. Considerando que esse clado seguramente persistiu por 50 milhões de anos (registro fóssil se estendendo do final do Jurássico até o final do Cretáceo, mas com inferência filogenética de emergência em meados ou início do Jurássico) e teve uma distribuição quase global (fósseis reportados na Europa, Ásia, África e América do Sul), as evidências apontam, portanto, uma ampla invasão de habitats aquáticos pelos dinossauros, em oposição ao cenário mais defendido de exclusividade terrestre e eventual conquista aérea como única exceção.


(1) Publicação do estudo: Nature

Referência adicional: National Geographic

Revelado o primeiro dinossauro capaz de nadar, e um dos maiores predadores conhecidos Revelado o primeiro dinossauro capaz de nadar, e um dos maiores predadores conhecidos Reviewed by Saber Atualizado on maio 01, 2020 Rating: 5

Sora Templates

Image Link [https://2.bp.blogspot.com/-XZnet68NDWE/VzpxIDzPwtI/AAAAAAAAXH0/SpZV7JIXvM8planS-seiOY55OwQO_tyJQCLcB/s320/globo2preto%2Bfundo%2Bbranco%2Balmost%2B4.png] Author Name [Saber Atualizado] Author Description [Porque o mundo só segue em frente se estiver atualizado!] Twitter Username [JeanRealizes] Facebook Username [saberatualizado] GPlus Username [+jeanjuan] Pinterest Username [You username Here] Instagram Username [jeanoliveirafit]