Últimas Notícias

[5]

A vacina BCG e a tríplice viral podem combater a COVID-19, sugerem cientistas


Cientistas em quatro países começaram uma série de robustos estudos clínicos apostando em uma solução à primeira vista impossível: usar uma vacina que visa uma bactéria para deter o novo coronavírus (SARS-CoV-2). Em específico, eles estão testando se a vacina contra a tuberculose - já sendo usada há um século - pode dar uma revigorada no sistema imune de uma forma mais ampla, permitindo que o organismo humano lute melhor contra a doença causada pelo SARS-CoV-2 (COVID-19) e, talvez, prevenindo a infecção. Os testes clínicos estão sendo realizados em médicos e enfermeiras, os quais estão em alto risco de se tornarem infectados com a doença respiratória do que a população em geral, e nos idosos, os quais estão em alto risco de desenvolverem a forma mais grave da doença caso infectados.

- Continua após o anúncio -



Segundo reportou a Science Magazine, pesquisadores Holandeses foram os primeiros a iniciarem um desses testes clínicos. Eles irão recrutar 1000 profissionais de saúde em oito hospitais Holandeses que irão ou receber a vacina - chamada bacillus Calmette-Guérin (BCG) -, ou um placebo. E enquanto os resultados desses estudos clínicos não saem, estudos observacionais publicados como preprints vêm trazendo cada vez mais evidências de que a BCG, de fato, parece estar implicada em efeitos positivos contra a COVID-19 - apesar de alguns resultados conflitantes (3-9).

A vacina BCG - nomeada em homenagem aos microbiologistas Franceses Albert Calmette e Camille Guérin, os quais a desenvolveram no início do século XX - contém uma cepa viva mas atenuada da bactéria Mycobacterium bovis, um parente evolutivo próximo da bactéria M. tuberculosis, o patógeno responsável pela tuberculose. A vacina é dada a crianças no primeiro ano de vida na maioria dos países ao redor do mundo, e é segura e barata, porém longe de ser 100% efetiva: previne, na média, cerca de 60% dos casos de tuberculose, com grandes diferenças entre os países.

Vacinas geralmente aumentam as respostas imunes específicas a um patógeno alvo, como anticorpos que se ligam e neutralizam um tipo de vírus mas não outros. No entanto, a BCG pode também aumentar a habilidade do sistema imune de combater outros patógenos que não sejam a bactéria da tuberculose, de acordo com estudos clínicos e observacionais realizados nas últimas décadas. Apesar das evidências serem limitadas e às vezes conflitantes, estudos nos últimos anos têm corroborado a ação 'polivalente' da BCG. Não só a BCG, mas as vacinas contra o sarampo (tríplice viral) (!) e contra a difteria parecem também estimular o sistema imune e proteger o organismo contra um amplo espectro de patógenos, incluindo vírus e bactérias. Aliás, uma revisão sistemática publicada em 2016 no periódico BMJ (1) encontrou que essas vacinas - incluindo a BCG - diminuem a taxa de mortalidade infantil (crianças com menos de 5 anos) por todas as causas  além do que seria esperado da prevenção contra as doenças específicas (tuberculose, sarampo e difteria). Na Guineia-Bissau, um país na África Ocidental, a mortalidade de recém-nascidos vacinados com a BCG é quase 40% menor do que aquela observada nos bebês não vacinados.

----------
Leitura recomendada: Vacina para o sarampo aumenta as chances de sobrevivência das crianças muito além de apenas protegê-las do sarampo

ATUALIZAÇÃO (18/06/20): Em um estudo publicado no periódico Cell Host and Microbe (10), pesquisadores também encontraram que as células na medula óssea - onde são produzidas as diferentes células imunes no sangue - aumentam a expressividade de alguns genes quando o corpo é exposto à vacina da BCG. Especificamente, a BCG promove uma mudança no transcriptoma das células progenitores e células-tronco hematopoiéticas, e induz mudanças epigenéticas persistentes nos monócitos periféricos CD14+. Os genes alvos desses processos promovem, entre outras coisas, um aumento significativo de mensageiros inflamatórios, ajudando a combater infecções iniciais. Nesse sentido, genes parecem ficar mais acessíveis por meses ou mesmo anos após a vacina ser aplicada, simulando um sistema imune já treinado e tornando as células imunes mais eficientes.

ATUALIZAÇÃO (01/08/20): Em um estudo publicado no periódico de alto impacto Science Advances (11), pesquisadores encontraram que países com vacinação mandatória da BCG até pelo menos o ano de 2000 tendiam a exibir menores taxas de infecção durante os primeiros 30 dias do surto epidêmico de COVID-19. Ao aplicarem um modelo estatístico baseado nos achados do estudo - este o qual analisou 135 países no total -, os pesquisadores estimaram que apenas 468 pessoas teriam morrido de COVID-19 nos EUA até 29 de março de 2020 - ou seja, apenas 19% das 2467 mortes até aquela data - se o governo Norte-Americano tivesse instituído a vacinação mandatória da BCG várias décadas atrás. Porém, os pesquisadores reforçaram que a vacina da BCG não é uma "bala mágica", já que foi observada substancial variação nas taxas de mortes e de crescimento epidêmico mesmo entre os países com vacinação mandatória.

(!) ATUALIZAÇÃO (15/10/20): Um estudo publicado no periódico Allergy (12), analisando 255 pessoas na Cidade do México que tomaram a vacina da tríplice viral (contra o sarampo, caxumba e rubéola) no início da pandemia, encontrou que apenas 36 foram infectados e desenvolveram a COVID-19, e todos tiveram um quadro bem leve da doença, independentemente do status de saúde (ex.: comorbidades prévias) e da idade.
----------

Quando um patógeno entra no corpo, glóbulos brancos da ramificação "inata" do sistema imune atacam primeiro, podendo lidar com até 99% das infecções. Se essas células falham, o sistema imune "adaptativo" é acionado, e as famosas células-T e células-B produtoras de anticorpos começam a se dividir pra entrar na luta. Aqui é válido destacar que certas células-T ou anticorpos são específicos ao patógeno alvo, ou seja, a presença desses soldados é preferencialmente intensificada na presença desse invasor. Uma vez que o patógeno é eliminado, uma pequena porção dessas células específicas de combate se transformam em células de memória que aceleram a produção de células-T e -B na próxima vez que o mesmo patógeno atacar. Vacinas são baseadas nesse mecanismo de imunidade (I).

----------
(I) Leitura recomendada: Vacina: História, Conquistas e Mitos

Voltando ao sistema imune "inato" - composto de células como macrófagos, células NK (natural killers) e neutrófilos -, este não deveria ser capaz de formar tal memória do patógeno enfrentado. No entanto, os pesquisadores descobriram que a BCG, a qual permanece viva na pele humana por até vários meses, ativa não apenas células-T e -B específicas contra as bactérias do gênero Mycobaterium, como também estimula as células sanguíneas inatas por um período prolongado, chegando até um ano após a vacina. Isso já foi comprovado na prática clínica - estudo randomizado placebo-controlado - contra uma forma enfraquecida do vírus da febre amarela (2).

- Continua após o anúncio -



A série global de testes clínicos usando a vacina da BCG está sendo marcada por estudos randomizados, mas os participantes provavelmente irão saber se receberam a vacina ao invés do placebo. A BCG, como muitos devem saber, causa uma pústula no local da injeção que pode persistir por meses, geralmente resultando em uma cicatriz bem característica. De qualquer forma, os pesquisadores estarão 'cegos' em relação à qual grupo - vacina ou placebo - o indivíduo voluntariado irá receber. Não é esperado - mas pode ser possível - que essa vacina elimine completamente as infecções causadas pelo novo coronavírus, ou que previna essas infecções, mas os cientistas esperam que, no mínimo, o corpo das pessoas se tornem mais fortes para contra-atacar.

Além da vacina BCG, um grupo de pesquisadores do Instituto Max Planck para Biologia de Infecção irá realizar um teste clínico similar envolvendo profissionais de saúde e idosos onde uma versão geneticamente modificada da BCG - VPM1002 -, mas ainda não aprovada contra a tuberculose, será usada.

Resultados positivos ou negativos desses testes clínicos serão liberados antes do final do ano. No entanto, até que os resultados desses estudos clínicos estejam disponíveis, a Organização Mundial de Saúde (OMS) não recomenda campanhas massivas de vacinação com a BCG, principalmente para não ameaçar o suprimento em regiões pesadamente atingidas pela tuberculose - doença responsável por mais de 1 milhão de mortes todos os anos.


> Referência: Science Magazine

> Estudos de interesse:
A vacina BCG e a tríplice viral podem combater a COVID-19, sugerem cientistas A vacina BCG e a tríplice viral podem combater a COVID-19, sugerem cientistas Reviewed by Saber Atualizado on março 23, 2020 Rating: 5

Sora Templates

Image Link [https://2.bp.blogspot.com/-XZnet68NDWE/VzpxIDzPwtI/AAAAAAAAXH0/SpZV7JIXvM8planS-seiOY55OwQO_tyJQCLcB/s320/globo2preto%2Bfundo%2Bbranco%2Balmost%2B4.png] Author Name [Saber Atualizado] Author Description [Porque o mundo só segue em frente se estiver atualizado!] Twitter Username [JeanRealizes] Facebook Username [saberatualizado] GPlus Username [+jeanjuan] Pinterest Username [You username Here] Instagram Username [jeanoliveirafit]