Últimas Notícias

[5]

Por que nós acreditamos em deuses? Estudo mostra que a crença religiosa não está ligada à intuição ou a algo 'natural'



Um estudo realizado por pesquisadores nas Universidades de Coventry e Oxford, e publicado na Scientific Reports desta semana, mostrou que as crenças religiosas não estão ligadas à intuição ou contrariamente ligadas ao pensamento racional, algo que desafia a crescente tendência que tenta mostrar uma associação no acreditar em coisas sobrenaturais com algo intuitivo ou que surge naturalmente no ser humano.

Estudos nos últimos 20 anos - conduzidos principalmente por psicólogos - frequentemente sugeriam que as pessoas que seguram fortes crenças religiosas são mais intuitivas e menos analíticas, onde quando essas mesmas pessoas começam a pensar mais analiticamente suas crenças religiosas tendem a diminuir. Nesse sentido, essas crenças seriam algo inato, pré-consciente e uma forma não-racional de processar informações experimentais do cotidiano. Um fruto da evolução cognitiva inerente a todos os seres humanos, onde uns seriam mais predispostos do que outros.



Porém, neurocientistas e filósofos se juntaram para conduzir um grande estudo sobre o tema e, basicamente, encontraram que as pessoas não "nascem crentes". No novo estudo - o qual analisou peregrinos que faziam parte do famoso Camino de Santiago, através de testes e experimentos com estimuladores cerebrais - não foi encontrado nenhuma ligação entre pensamento intuitivo/analítico, ou inibição cognitiva (uma habilidade de suprimir indesejados pensamentos e ações), e crenças supernaturais.

Ao invés disso, os pesquisadores concluíram que outros fatores, como educação das crianças e processos sócio-culturais, são mais prováveis de atuarem no estabelecimento de crenças religiosas/sobrenaturais. Esse é o primeiro estudo que encontrou tais resultados, indo contrário à Hipótese da Crença Intuitiva (termo cunhado pelos envolvidos neste estudo), e usando análises bem mais profundas e uma maior colaboração entre acadêmicos.

- Continua após o anúncio -



COMO O ESTUDO FOI CONDUZIDO?

O time de pesquisadores iniciou as investigações em uma das maiores rotas de peregrinações do mundo - o Camino de Santiago de Compostela, no norte da Espanha. Ali, perguntaram aos romeiros sobre a força das suas crenças e tempo gasto na peregrinação, acessando também seus níveis de pensamento intuitivo com tarefas de probabilidade, onde os participantes tinam que se decidir entre uma escolha lógica e uma baseada na intuição.

- Continua após o anúncio -



Os resultados dos testes iniciais sugeriram a inexistência de qualquer ligação entre a força das crenças sobrenaturais e a intuição.

Em uma segunda bateria de análises, onde foi usado problemas matemáticos para aumentar o assessoramento intuitivo, também não foi encontrado nenhuma ligação entre os níveis de pensamento intuitivo e a crença sobrenatural.

Já na última parte da pesquisa, os pesquisadores usaram estimuladores cerebrais para aumentar os níveis de inibição cognitiva, a qual é creditada por regular o pensamento analítico. Para isso, correntes elétricas indolores entre dois eletrodos colocados no escalpo dos participantes foram usadas para ativar o giro frontal inferior direito, uma parte do cérebro que controla o sistema inibitório. Aliás, estudos anteriores já chegaram a mostrar que os ateístas usavam essa área do cérebro mais quando eles queriam suprimir ideias sobrenaturais.

Os resultados dessa última parte experimental mostraram que enquanto a estimulação cerebral aumentava os níveis de inibição cognitiva, isso não mudou os níveis da crença religiosa/sobrenatural dos participantes, sugerindo que não existe uma ligação direta entre inibição cognitiva e crenças do tipo.

- Continua após o anúncio -



CONCLUSÃO DOS PESQUISADORES

Os acadêmicos envolvidos no estudo concluíram que o fenômeno da religião é um processo derivado de ações educacionais e se desenvolve por causa de processos socio-culturais. Ou seja, uma pessoa pode ter um excelente processo analítico, mas ser um crente religioso pesado sem muitas barreiras, dependendo da sua criação. Na fala de um dos pesquisadores que lideraram o estudo:

"O que orienta nossa crença em deuses - intuição ou razão; coração ou a cabeça? Existe um longo debate sobre o assunto nos últimos séculos, mas os resultados do nosso estudo vieram para desafiar a hipótese de que ser um crente religioso é determinado por quanto os indivíduos confiam na intuição ou no pensamento analítico."

"Nosso time de pesquisa não acredita que as pessoas 'nascem crentes' do mesmo modo que nós, inevitavelmente aprendemos uma linguagem durante a infância. Os dados sociológicos e históricos disponíveis mostram que o que nós acreditamos é principalmente sustentado por fatores sociais e educacionais, e não em estilos cognitivos, como o pensamento analítico/intuitivo."

"A crença religiosa é mais provável de ter sua origem da cultura ao invés de algum tipo de processo intuitivo primitivo."

Aliás, essa conclusão também entra em convergência com outros estudos que mostram diferentes áreas do cérebro estando envolvidas ou na geração de uma razão baseada na crença (o córtex pré-frontal medial ventral) ou na razão lógica (córtex pré-frontal direito).

Além disso, a hipótese que traduz a crença sobrenatural como um subproduto natural de uma cognição ordinária não explica facilmente as centenas de milhões de pessoas que rejeitam tais crenças. E soma-se a isso o fato de que a hipótese dos não-crentes serem capazes de inibir cognitivamente a suposta tendência natural de acreditar em algo sobrenatural é também improvável de uma perspectiva evolucionária, já que isso iria requerer muito esforço cognitivo para continuamente suprimir ideias e atribuições sobrenaturais.

Os autores do estudo ainda acrescentam que a ideia de que a crença é algo natural encontra raízes históricas nas tentativas de acadêmicos mais antigos de buscarem Deus na natureza. Nesse sentido, estaria na hora dos psicólogos focarem mais os estudos em uma base cultural das crenças e não em uma base intuitiva e inata.


COMPLEMENTO: Existe uma hipótese científica que defende a criação das religiões na sociedade como um fator crucial para unir os povos primitivos, antes do surgimento das grandes civilizações. Para saber mais, acesse o artigo: Religião e Desenvolvimento Humano.


Publicação do estudo: Nature

Referência adicional: Coventry University

Por que nós acreditamos em deuses? Estudo mostra que a crença religiosa não está ligada à intuição ou a algo 'natural' Por que nós acreditamos em deuses? Estudo mostra que a crença religiosa não está ligada à intuição ou a algo 'natural' Reviewed by Saber Atualizado on novembro 10, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário:

Sora Templates

Image Link [https://2.bp.blogspot.com/-XZnet68NDWE/VzpxIDzPwtI/AAAAAAAAXH0/SpZV7JIXvM8planS-seiOY55OwQO_tyJQCLcB/s320/globo2preto%2Bfundo%2Bbranco%2Balmost%2B4.png] Author Name [Saber Atualizado] Author Description [Porque o mundo só segue em frente se estiver atualizado!] Twitter Username [JeanRealizes] Facebook Username [saberatualizado] GPlus Username [+jeanjuan] Pinterest Username [You username Here] Instagram Username [jeanoliveirafit]