Últimas Notícias

[5]

Cientistas revelam as modificações evolutivas que diferenciam o coelho selvagem do coelho doméstico



Um estudo publicado na Proceeding of the National Academy of Sciences e realizado por um time de pesquisadores da Universidade de Uppsala, Suécia, liderado pelo geneticista Leif Andersson, revelou diferenças na estrutura cerebral entre coelhos selvagens e coelhos domésticos (espécie Oryctolagus cuniculus)  que os tornam mais ou menos nervosos ao redor de humanos.

Em um estudo anterior, o mesmo time de pesquisadores tinha demonstrado que mudanças no fenótipo durante a domesticação dos coelhos evoluiu como resultado de uma seleção altamente poligenética, onde foi observado uma mudança na frequência de alelos em vários loci ao invés de diferenças fixas em poucos loci de domesticação (1). Essas mudanças genéticas estavam ligadas a funções neurais, sugerindo notáveis alterações no cérebro. Porém, ainda tinha ficado a dúvida se tais mudanças realmente levaram a mudanças substanciais na arquitetura cerebral desses animais. Apesar dos coelhos domésticos serem cerca de 4 vezes mais massivos do que os selvagens, o cérebro de ambos possuem praticamente o mesmo volume.


Para as análises cerebrais, os pesquisadores utilizaram um escaneamento por imagem de ressonância magnética (MRI) de alta-resolução no cérebro de oito coelhos domésticos e de oito coelhos selvagens. Comparando os resultados dos escaneamentos, foi encontrado que a amígdala, uma região do cérebro que processa medo e ansiedade, é 10% menor nos coelhos domesticados em relação aos seus parentes selvagens. Já nos coelhos selvagens, o córtex medial pré-frontal, o qual controla respostas para comportamento agressivo e medo, é 11% maior em comparação com os domésticos.


Além disso, foi revelado que os cérebros dos coelhos domesticados é menos capaz de processar informações relacionadas com as respostas 'lute-ou-fuja' devido a uma menor quantidade de massa branca (axônios e sinapses) em relação aos parentes selvagens. A massa branca ajuda a conectar as células nervosas através de fibras (axônios) e podem influenciar o processamento de informações no tecido cerebral. Ou seja, os coelhos selvagens, quando em perigo, conseguem gerar reflexos mais rápidos e aprender mais rapidamente o que temer ao ambiente à sua volta, algo essencial para a proteção contra predadores.

- Continua após o anúncio -



Essas mudanças na estrutura cerebral dos coelhos domésticos reduzem emoções como medo e agressão, tornando-os mais dóceis. Os seres humanos, ao longo da sua história de domesticações, vão selecionando espécimes mais mansos dentro de populações selvagens, cruzando apenas aqueles selecionados para o surgimento de gerações cada vez mais fáceis de serem adestradas. Diferente dessas novas gerações, as populações selvagens não selecionam genes que expressam tais características, já que precisam estar com os sentidos e emoções a pleno vapor para escaparem de predadores e outros perigos no ambiente selvagem.

O processo evolutivo de domesticação via interferência humana ocorreu com os cães, cabras, gatos, entre diversos outros animais de criação. Os resultados do novo estudo trouxeram importantes detalhes para os cientistas entenderem melhor esse processo.

Compartilhe o artigo:



Publicação do estudo: PNAS

Cientistas revelam as modificações evolutivas que diferenciam o coelho selvagem do coelho doméstico Cientistas revelam as modificações evolutivas que diferenciam o coelho selvagem do coelho doméstico Reviewed by Saber Atualizado on julho 17, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Sora Templates

Image Link [https://2.bp.blogspot.com/-XZnet68NDWE/VzpxIDzPwtI/AAAAAAAAXH0/SpZV7JIXvM8planS-seiOY55OwQO_tyJQCLcB/s320/globo2preto%2Bfundo%2Bbranco%2Balmost%2B4.png] Author Name [Saber Atualizado] Author Description [Porque o mundo só segue em frente se estiver atualizado!] Twitter Username [JeanRealizes] Facebook Username [saberatualizado] GPlus Username [+jeanjuan] Pinterest Username [You username Here] Instagram Username [jeanoliveirafit]